Há julgamentos que animam “maningue”

Sentar-se no banco dos réus deve ser a pior coisa pela qual em vida um homem passa, sem estar acometido por alguma enfermidade física ou mental de vulto. Mas, como dizia um velho amigo de Bula-bula, “esta coisa de estar vivo um dia ainda acaba mal”.

Para alguns a coisa acaba mal por ignorar a máxima que reza que “diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és”. É só espreitar os relatos que nos chegam dos visados pelo processo em julgamento que versa sobre desvios de fundos do exército nacional.

Uns são militares de carreira e outros são simples cidadãos como Bula-bula, que nem sequer conhece a diferença entre o tal “pingo de chuva” e o “camuflado”. Pior quando o assunto são patentes. Quando se diz que este é alferes e aquele é superior ao tenente. Não se sabe se o coronel vem depois do capitão ou do general.

Nos tempos da outra senhora, o que toda a sociedade sabia é que se deve total respeito aos militares porque se entendia que eles é que davam o seu suor, sangue e lágrimas para manter a soberania da pátria intacta.

Porém, Luís Vaz de Camões enunciou, em seu tempo, que “mudam-se os tempos, mudam-se as vontades” e eis que a malandragem também bate às portas dos quartéis. Entra como se fosse convidada de honra, acomoda-se nas melhores poltronas e faz a ceia.

E por falar em mudança de tempos e vontades, alguns assumem que podem dar o seu suor e lágrimas pela pátria. Noutros tempos, todos sabíamos que “a pátria chama por nós”. Agora parece ser o dinheiro fácil, pai da ostentação, que chama e a gente se entrega apaixonadamente. Nem vê onde pisa e como pisa.

A apreciação do caso ainda decorre em tribunal, mas o que já se ouviu é de arrepiar os tímpanos e lacrimejar. Homens e mulheres que nem sequer sabem de que lado fica a coronha de uma simples AKM ter-se-ão deixado enredar num plano para engordar as listas de militares com vivos e mortos para, desse modo, abocanharem os salários dos fantasmas.

Os contornos ainda estão a ser passados a pente fino pelo jurado, mas a estória começa a fazer jus à tese de outro amigo de Bula-bula que diz repetidas vezes que “um homem nunca devia sair de casa sem medir o seu tamanho”. Isso ajudaria a muitos a andar pelas ruas deste país sem ter de esconder o rosto e sem medo de quem lhes vem bater à porta.

Antes de mudarem os tempos e as vontades, velhos e novos cantavam: “Não vale a pena esconder a cabeça, agarramos o rabo”, e o refrão era um simples: “Não vale a pena”. 

Versão-Impressa


Editorial

O Metical
domingo, 18 junho 2017, 00:00
Na semana passada celebrámos o 16 de Junho, dia da criação da nossa moeda, o Metical. Com efeito, o Metical nasceu a 16 de Junho de 1980, num processo de troca do escudo... Leia Mais

Opinião

Desporto

Nacional

Breves

Sociedade

Reportagem

Cultura

Em foco

Temos 291 visitantes em linha

Banca de Jornais

Sociedade do Noticias
  • EconomiaEconomia
  • CulturaCultura
  • DomingoDomingo
  • DesafioDesafio
  • NotíciasNoticias

Conselho de Administração

Bento Baloi Presidente

Rogério Sitoe Administrador

Cezerilo Matuce Administrador