Jair Bolsonaro anunciou no dia 8 de Março de 2019 que no segundo semestre do ano em curso irá visitar a China e que as relações entre o Brasil e a China vão melhorar. Estas declarações foram feitas depois da recepção das cartas credenciais do novo embaixador chinês,  Yang Wanming. Esta possível visita do Presidente brasileiro à China contraria o posicionamento hostil de Bolsonaro durante a campanha eleitoral em 2018.

Durante a campanha eleitoral Bolsonaro afrontou a China de várias formas. Dentre elas se destaca o facto de ter visitado o Japão e a Coreia do Sul ignorando a China nesse roteiro. Ademais, Bolsonaro visitou Taiwan desafiando o princípio chinês de Uma Só China, aceite pelo Brasil, segundo o qual Taiwan pertence a China e, por isso, as relações diplomáticas devem ser com a China e não com Taiwan. Para além de ter mostrado o desagrado em relação ao investimento chinês no sector mineiro ao ter afirmado que a China estava a comprar o subsolo brasileiro. Esta antipatia em relação à China parecia que iria prosseguir depois da sua eleição, o que confirmaria a sua simpatia pelo Ocidente e a alcunha de “Trump Tropical”.

Na realidade, a abordagem de Bolsonaro candidato deitava abaixo todo um esforço dos governos do Partido Trabalhista de Lula da Silva e Dilma Rousseff (2003-2016). Um esforço multifacetado que resultou na constituição do forum BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), cujas ambições e actividades alteraram a estrutura do poder do Sistema Internacional que transitou da fase unipolar para a multipolar inclusiva. Na realidade, o candidato Bolsonaro ao afastar-se da China estava a afastar-se do fórum mais poderoso do período pós-guerra fria. Um afastamento que reduziria o Brasil a um satélite dos Estados Unidos da América.

As declarações de Bolsonaro, presidente, aquando da recepção das cartas credenciais de Yang Wanming mostram que campanha eleitoral é totalmente diferente do acto de governar. Bolsonaro enquanto governante sabe de coisas que provavelmente não sabia enquanto candidato. Factos no terreno mostram que, em 2017, o comércio entre os dois países alcançou a cifra de 75 mil milhões de dólares americanos, que desde 2003 a China investiu mais de 124 mil milhões de dólares americanos e que no segundo mandato de Dilma Rousseff (2010-2016) o investimento subiu 37%, tornando a China o principal parceiro comercial do Brasil.

Por Paulo Mateus Wache*

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
Pub

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 63,6 64,83
ZAR 4,56 4,65
EUR 71,57 72,96

11.04.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 182 visitante(s) ligado(s) ao Jornal