O revisionismo “trumpiano”, que começou por se centrar em matérias económicas e de meio ambiente induzindo os EUA a saírem do Tratado Norte-Americano de Comércio Livre (NAFTA), tomarem medidas proteccionistas contra os produtos chineses (guerra comercial), saírem do Tratado de Paris sobre as Mudanças Climáticas, tem atingido áreas sensíveis da segurança internacional. O primeiro sinal nessa direcção foi a saída unilateral dos EUA do Acordo Nuclear com o Irão em Maio de 2018. Em Outubro do mesmo ano a Administração Trump fez a primeira promessa de abandonar o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermédio, assinado em 1987, entre os EUA e a URSS (substituída pela Rússia), caso a Rússia continuasse a violá-lo. Mais recentemente, no dia 1 de Fevereiro de 2019, o secretário de Estado Mike Pompeo veio a terreiro anunciar a suspensão do tratado em apreço e acrescentou que se a Rússia não mudasse de rumo, os EUA iriam abandonar o tratado em Julho, seis meses depois da suspensão. 

Num olhar atento sobre este dossier constata-se que os EUA têm tratado o assunto, da saída do tratado, com cautela. Por exemplo, quando foi da saída do NAFTA, do Tratado de Paris, do Acordo Nuclear com o Irão, os EUA tomaram a decisão e anunciaram a saída de tais acordos sem dividir a decisão em fases. No caso do pretenso abandono do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermédio, os EUA primeiro prometeram, a seguir suspenderam e só depois poderão provavelmente abandonar. Este comportamento, de faseamento, é inusitado da parte dos EUA “trumpianos”, o que significa que o plano não é abandonar mas sim dissuadir a Rússia para que esta contenha as suas ambições geoestratégicas. 

Texto: Paulo Mateus Wache*

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Leia mais...

 

 

Pub

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 59,96 61,15
ZAR 4,17 4,25
EUR 68,7 70,06

19.10.201Banco de Moçambique