O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeu, anunciou, na passada sexta- -feira, que o seu país não vai mais honrar os seus compromissos ao abrigo do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermédio (INF). Pompeu justificou a decisão com a alegação de que o outro parceiro do acordo, a Rússia, tem vindo a violá-lo. Caso o abandono do tratado se efective, a acção pode desembocar numa corrida ao armamento que põe em causa, primeiro, a segurança da Europa. A decisão de Washington pode ser explicada, por um lado, na estratégia “trumpiana” de “desamarrar” os EUA de acordos desfavoráveis para a promoção do seu interesse nacional e, por outro, como uma estratégia “concertada”, entre os EUA e a Rússia, de criação de uma situação de vazio normativo que leve a negociações para a assinatura de um acordo de controlo de armas em que a China, talvez a real preocupação das duas potências, esteja também engajada.

O INF é um acordo que foi assinado em 1987, no qual as partes comprometiam-se a eliminar mísseis balísticos e de cruzeiro, nucleares ou convencionais, com um alcance de 500 e 5500 km. Bem-sucedido para alguns, já que por via dele foram destruídos milhares de mísseis, ao longo dos anos tem havido denúncias, de ambas as partes, de que a outra tem violado o acordo. Os norte-americanos acusam os russos de violar o acordo por desenvolverem novos sistemas de mísseis – o míssil balístico intercontinental móvel SS-25 e o mais novo RS-26 ICBM – que, embora não sejam de alcance intermédio, são testados de uma forma que pode violar os termos do acordo. Os russos, por sua vez, não estão nada satisfeitos com a decisão dos EUA de instalar bases na Roménia e Polónia, com capacidade de lançar mísseis Tomahawk, para além de acusarem o parceiro de incumprimento pela testagem de mísseis MQ-9 Reaper e o MQ-4.

Texto: Edson Muirazeque *

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Leia mais...

 

 

Pub

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 59,96 61,15
ZAR 4,17 4,25
EUR 68,7 70,06

19.10.201Banco de Moçambique