No passado mês de Setembro, os membros da Unidos Contra Irão Nuclear (UCIN) reuniram-se, em Nova Iorque, para traçar estratégias sobre como derrubar o governo iraniano. Para os representantes da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos (EAU), coadjuvados por representantes dos EUA e de Israel, não há outra solução senão orquestrar uma mudança de regime no Irão. Entretanto, as mesmas acusações que os representantes dos Estados árabes fazem contra o Estado persa podem também ser feitas a eles. Na verdade, todos eles lutam por dominar a região do Golfo Pérsico, em particular, e do Médio Oriente, no geral. É um caso para se usar o adágio popular de que “o roto fala mal do rasgado”.

Os pronunciamentos dos representantes dos países árabes, a sugerir a mudança de regime no Irão, foram feitos num encontro tendente a unir forças para contrariar o Acordo Nuclear Iraniano de 2015. Para o ministro dos negócios estrangeiros da Arábia Saudita, a solução para parar com o programa nuclear iraniano é o derrube do regime vigente na República persa. No mesmo diapasão, o embaixador dos EAU em Washington disse que a “mudança da política externa iraniana depende de uma ‘intervenção’ externa”, e apelou para que os Estados europeus e asiáticos se juntem no isolamento do Estado iraniano.

De entre as acusações feitas ao Irão estão as tentativas do Estado persa exercer influência sobre os Estados árabes da região, particularmente o Líbano, a Síria e o Iémen. No Líbano o Estado persa é acusado de apoiar o Hezbollah, um grupo considerado terrorista pelos EUA e seus aliados, embora este tenha representação parlamentar. Na Síria, desagrada aos Estados Árabes o facto de o Irão estar a apoiar os esforços de Assad para manter-se no poder. No Iémen os Estados árabes da UCIN temem que o grupo supostamente apoiado por Teerão ascenda ao poder, facto que tornaria aquele país um “satélite” do Irão.

Aos dois membros não árabes da UCIN interessa a mudança de regime no Irão por razões próprias. Para o Estado de Israel, é uma questão de sobrevivência. Localizado numa região em que os seus vizinhos lhe vêem como um Estado imposto pelo Ocidente, Israel vê no Irão a maior ameaça à sua segurança. Aliás, o antigo presidente da República persa dizia publicamente ser sua intenção “dizimar Israel” da face da terra. Os EUA, por seu turno, no passado já mantiveram relações muito próximas com o Irão. Porém, a Revolução Islâmica colocou no poder um regime contrário à satisfação dos seus interesses no país. Portanto, a mudança de regime é relevante não só para defender os seus aliados na região, mas também para “vingar” a humilhação passada pela ocupação da sua embaixada em 1979 e pala “crise de reféns” que se seguiu.

Por Edson Muirazeque *
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
Pub

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 59,96 61,15
ZAR 4,17 4,25
EUR 68,7 70,06

19.10.201Banco de Moçambique

Mais lidas