O Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) já deu início ao processo de transição da coordenação da assistência humanitária às vítimas do ciclone Idai e das cheias no quadro da implementação da estratégia de saída das equipas de nível central para que as de nível provincial, distrital e municipal prossigam com os trabalhos.

Segundo a directora geral do INGC, Augusta Maíta, a sociedade moçambicana e o mundo devem perceber que o Idai afectou a cidade da Beira e toda a província de Sofala, Manica, Zambézia e Norte de Inhambane e que existem razões objectivas que levaram esta instituição a posicionar-se na cidade da Beira e não em outros locais.

Não foi por ser a zona de maior impacto mas, sobretudo, porque é a área que mais condições logísticas nos oferecia através do Porto da Beira e do Aeroporto Internacional para que se fizesse a operação logística, de busca e salvamento”, disse.

A decisão de retirada da equipa central, que nos foi anunciada pela directora geral do INGC, Augusta Maíta, está inserida no contexto da implementação dos chamados “passos seguintes à fase de resposta” que, em termos práticos, se traduzem na estabilização do processo de assistência alimentar.

Aliás, e conforme observámos há dias, toda a equipa de coordenação das actividades de emergência que estava concentrada na sala Flamingo do Aeroporto Internacional da Beira já está a realizar as suas actividades nas instalações da delegação do INGC de Sofala, localizadas nas imediações da Base Aérea local.

Texto de Jorge Rungo

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
Pub

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 63,6 64,83
ZAR 4,56 4,65
EUR 71,57 72,96

11.04.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 196 visitante(s) ligado(s) ao Jornal