Em Foco

SERRA DA GORONGOSA: Forças de Defesa e Segurança voltaram às posições anteriores

O “ruído” criado à volta da retirada ou não das Forças de Defesa e Segurança das oito posições por elas ocupadas em perseguição dos homens armados da Renamo, na serra da Gorongosa, ficou dissipado semana finda. Adesocupação constante dos entendimentos entre o Presidente da República, Filipe Nyusi, e o líder daquele movimento políticoarmado, Afonso Dhlakama, acabou sendo polemizada e uma equipa de 21 jornalistas deslocou-se àquela região, donde regressou com a certeza de que, de facto, o Exército retornou às suas posições anteriores à ordem do seu Comandante-chefe.

Os profissionais de comunicação social, de diferentes órgãos nacionais e internacionais, movidos pelos pronunciamentos do líder da Renamo, a partir do seu redutoe secundadas pelo seu porta-voz, o deputado António Muchanga, em Maputo, foram guiados pela lista que os dois forneceram ao apresentarem publicamente o seu desconforto face à alegada desautorização do Comandante-chefe das FDS, em relação à ordem por si dada naquela ocasião.

Em dois dias, os repórteres escalaram as posições então referidas, designadamente, Nhariroza, Nhandari, Mapangapanga, Nhaucheche, Nhanthaca, Namadjiwa, Nhangunga e Mucossa.

 Aliás, de acordo com o comandante das FDS estacionadas na Gorongosa, Wand Wan Bedford, “antes de o líder da Renamo ter pedido a desactivação daquelas posições, nós já tínhamos começado com o processo, depois de concluirmos que não constituíam nenhum perigo, pois já tínhamos visto que não havia nenhum interesse de mantê-las pelos encargos desnecessários que tal podia encerrar”. Afinal, o líder da Renamo, nos seus contactos bilaterais com o Presidente da República, apenas pediu a desactivação de duas posições, nomeadamente, Nhariroza e Nhandari (esta última também conhecida por Lourenço).

 

“As restantes foram desactivadas por ordens do Comandante-chefe das FDS, por reconhecer que não havia necessidade de mantê-las”,acrescentou Wand Wan Bedford.

Depois de o líder da Renamo anunciar unilateralmente, pela primeira vez, a trégua de sete dias, por ocasião da quadra natalícia e do fim do ano, a 26 de Dezembro de 2016, segundo o Coronel Bedford, o Comandante-chefe ordenou a desactivaçãode Nhanthaca e Mucossa.

Quando Dhlakama anuncia o prolongamento da trégua, por 60 dias, em 4 de Janeiro deste ano, em 23 de Abril, foram desactivadas as posições de  Mapangapanga e Nhangunga.

O seguinte período de trégua anunciado foicomummente conhecido como indeterminado, anunciado a 4 de Maio, que teve como resposta de “boa-fé” a desactivação da posição de Namadjiwa, na altura constituída por uma força mista (forças armadas e a Polícia), ficando esta última.

Namajiwa, segundo aquele oficial superior das FDS, é o último reduto de Afonso Dhlakama, donde foi expulsono dia 27 de Maio de 2016, para onde hoje se encontra, algures na serra da Gorongosa.

A fonte explica que se conclui que Dhlakama esteve naquele lugar em virtude dos vestígios encontrados no local, pois “fugiu sem ter levado nada, tudo encontrámos aqui”.

Leia mais...

 

Editorial

Pacto Polícia-povo
domingo, 13 agosto 2017, 00:00
O nosso país tem passado por diferentes conjunturas que embaraçam o sentido da paz. A guerra amortecida em 1992, através da assinatura dos Acordos de Paz, a 4 de Outubro, é... Leia Mais

Versão-Impressa


Opinião

Desporto

Nacional

Breves

Sociedade

Reportagem

Cultura

Em foco

Banca de Jornais

Sociedade do Noticias
  • EconomiaEconomia
  • CulturaCultura
  • DomingoDomingo
  • DesafioDesafio
  • NotíciasNoticias

Conselho de Administração

Bento Baloi Presidente

Rogério Sitoe Administrador

Cezerilo Matuce Administrador