As catorze empresas membro da associação de produtoras de banana mostram-se satisfeitas com o alívio na restrição ao fornecimento de água anunciado esta semana pelo Governo, que passou de 15 para 30 por cento e esperam recuperar a sua produtividade em pelo menos 20 por cento por hectare.

Até 2016, Moçambique estava posicionado entre os cinco maiores exportadores de banana do continente africano, rendendo para o país entre 40 a 50 milhões de dólares, segundo referência feita pelo banco de Moçambique.

Entretanto, a estiagem que se observa nesta região do país desde aquela altura levou a que as empresas reduzissem a sua produtividade em mais de 20 por cento, cifra que se agravou no primeiro semestre do ano passado devido à imposição da restrição total de rega pelo Ministério das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos (MOPHRH).

Arnaldo Ribeiro, presidente da Associação dos Produtores de Banana de Moçambique (BananaMoz), descreve que houve a necessidade de alterar os antigos sistemas de rega, que eram maioritariamente de aspersão, para se passar a usar o método gota-a-gota.

Tivemos que aprender a gerir melhor a água e também a comunicarmo-nos melhor com a Administração Regional de Águas do Sul (ARA-SUL) com quem passamos a reunir regularmente. Também houve uma evolução no que tange ao controlo do acordo de partilha de água”, disse.

Aliás, e segundo Ribeiro, foi dentro quadro que o Chefe de Estado, Filipe Nyusi colocou esta matéria na sua agenda e escalou recentemente o reino da Swazilandia (actual eSwatini) para viabiliza a disponibilização de mais 18 milhões de metros cúbicos para o lado moçambicano.

De igual modo, a BananaMoz diz aguardar com muita expectativa pelo arranque do fornecimento de água a partir da Barragem de Corumana, no distrito de Moamba, província de Maputo, através do qual poderão ser fornecidos cerca de 120 mil metros cúbicos de água por dia aliviando largamente a actual pressão que se observa em relação à Barragem dos Pequenos Libombos, que se localiza no distrito de Boane, também em Maputo.

Arnaldo Ribeiro sublinhou que a falta de água foi um dos maiores problemas que afectou as empresas do ramo, sobretudo se for levado em conta que passam cinco anos de seca que levaram a que se decidisse pela restrição no fornecimento da água para a produção agrícola.

Tivemos limitações muito severas, mesmo depois de se anunciar que o reino de eSwatini ia permitir o escoamento de 18 milhões de metros cúbicos. A informação que tenho é que até agora aquele país deu metade disso”, disse.

Refere ainda que há lições muito grandes que foram apreendidas durante o período de carência,mas o pensamento de todos está voltado para o futuro, uma vez que esperam que na próxima época quente estas restrições sejam completamente levantadas.

Texto de Angelina Mahumane
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 63,6 64,83
ZAR 4,56 4,65
EUR 71,57 72,96

11.04.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 241 visitante(s) ligado(s) ao Jornal