Política

    Desporto

      Nacional

        Sociedade

          Economia

            Cultura

              Mais lidas

              Câmbio

              Moeda Compra Venda
              USD 59,96 61,15
              ZAR 4,17 4,25
              EUR 68,7 70,06

              19.10.201Banco de Moçambique

              Redacção

              Moçambique está na boca do mundo não apenas por causa da forma exemplar como vem conduzindo o processo de diálogo que poderá conduzir a reconquista da paz efectiva, mas, sobretudo, pela maneira como geriu a morte e as exéquias daquele que foi o líder da maior força política na oposição no país, falecido, vítima de doença, a 3 de Maio, na serra da Gorongosa, província de Sofala.

              A decisão do Governo de proporcionar um funeral oficial a Afonso Dhlakama surpreendeu não só os moçambicanos, mas também o mundo inteiro, que não está habituado a ver tratamento igual a ser dispensado a um adversário político, sobretudo no continente africano.

              Certamente, esta deliberação do Conselho de Ministros não terá surpreendido aqueles que dentro e fora do país vinham acompanhando as últimas tendências do diálogo político entre a Renamo e o Governo que, inclusive, depois de contactos telefónicos levou o Presidente da República a deslocar-se à Gorongosa, por três ocasiões, para se encontrar com Afonso Dhlakama.

              Aliás, para quem esteve atento à reacção do Chefe de Estado no dia da morte de Afonso Dhlakama, bem como a convocação de uma sessão extraordinária do Conselho de Ministros, no dia seguinte, pode não se ter surpreendido com esta decisão.

              É que esta decisão, além de legal, porque em conformidade com a Lei n.º 33/2014, de 30 de Dezembro, que aprova o Estatuto Especial do líder do segundo partido com assento parlamentar, conjugado com o Decreto n.º 47/2006, de 26 de Dezembro, reflecte o clima de confiança e de “irmandade” que se tinha desenvolvido entre Filipe Nyusi e Afonso Dhlakama, fruto do contacto directo.

              Há quem veja neste gesto do Governo um aproveitamento político do partido no poder que está à procura de somar pontos. É de respeitar tal ponto de vista que pode ser enquadrado no âmbito do exercício da liberdade de expressão, um direito constitucionalmente consagrado em Moçambique.

              Leia mais...